sexta-feira, 2 de agosto de 2013

De Tarde


ANDANDO NAQUELA RUA EMPOEIRADA, já de noite, estava pensativo o que lhe deixava deprimido. Ela caminhava do seu lado agarrada em seu braço esquerdo, poucas coisas pra falar, em cada passo que davam ele sentia o aperto que ela fazia em seu braço. Estava indeciso procurando qualquer coisa que valesse a pena ser dita, nada vinha e o silencio a afligia. 

Olhou para o céu pintado de milhões de estrelas, muitas palavras soltas surgiram do nada e quase disse uma delas. Mas antes, bem antes que ela saísse a espremeu entre os dentes no momento em que a língua desobediente alcançou o céu da boca.

A menina perguntou qualquer coisa que ele respondeu rapidamente sem pensar duas vezes. Se sentiu agradecido por ela ter desfeito o silencio entre os dois. Se olharam com carinho, ela sorri deliciosamente. Que bobo era que não a beijou naquele momento.

A lua o olhou sarcástica com seus dentes amarelos de orelha a orelha, vão andando mais alguns passos, ela quase tropeça e ele rapidamente a segura, um obrigado vem em seguida acompanhado de um suspiro de satisfação. Realmente linda, com seus longos cabelos negros, sua voz que ele adora escutar, seu sorriso que tanta alegria lhe dava. Não esperou mais nada e a beijou!   

Um comentário:

Gisele Regina disse...

Que lindo. Na madrugada muita coisa pode acontecer. :)